Para conter pedofilia, YouTube remove comentários em vídeos com crianças

RIO — O YouTube anunciou nesta quinta-feira uma série de medidas para conter a ação de pedófilos na maior plataforma de vídeos on-line do mundo. A principal medida é a retirada do espaço para comentários em “dezenas de milhões de vídeos que podem ser objeto de comportamento predatório”. Segundo a empresa, “os esforços estão focados em vídeos com crianças pequenas”, mas nos próximos meses a ação será expandida para vídeos com adolescentes.

“Um pequeno número de criadores poderá manter os comentários ativos nesse tipo de vídeos”, afirmou a companhia, em comunicado. “Esses canais terão que monitorar ativamente os comentários, além de apenas usar as nossas ferramentas de moderação, e demonstrar baixo risco para o comportamento predatório”.

A plataforma também atualizou o algoritmo para reconhecimento de comentários pedófilos, para identificar e remover essas mensagens. Vídeos com menores classificados como em risco de comentários predatórios terão a monetização com anúncios limitada ou bloqueada. Mais de 400 canais foram retirados do ar, centenas de contas de comentadores foram fechadas e informações foram encaminhadas às autoridades.

As medidas são uma resposta a uma denúncia apresentada pelo youtuber Mark Watson, sobre a existência de uma falha no algoritmo da plataforma que estava sendo explorada por pedófilos. Com uma conta nova, Watson demonstrou que com apenas alguns cliques os usuários eram jogados num “buraco de minhoca”, onde apenas vídeos de crianças eram apresentados, com pedófilos deixando comentários que sexualizam as crianças e fazendo marcações nos vídeos.

Também pelos comentários, os pedófilos marcam outros interessados nesse tipo de conteúdo, fazendo com que o algoritmo entenda que se trata de um padrão de consumo. Por isso, ao entrar num desses vídeos, apenas conteúdos similares são oferecidos, todos com comentários predatórios.

Como consequência, anunciantes como Disney, Nestlé e Epic Games (criadora do jogo “Fortnite”) suspenderam suas campanhas publicitárias no YouTube, segundo a agência Bloomberg. A operadora AT&T também anunciou a suspensão dos anúncios.

“Até que a Google possa proteger a nossa marca de qualquer tipo de conteúdo ofensivo, nós removemos toda a publicidade do YouTube”, afirmou um porta-voz da operadora à emissora CNBC.

O YouTube informou que o faturamento com publicidade dos vídeos mencionados foi de menos de US$ 8 mil nos últimos 60 dias e esse dinheiro será devolvido aos anunciantes.

Powered by WPeMatico