Cachorro-quente dançante do Snapchat retorna para eleição dos EUA

Falta pouco mais de uma semana para o dia da eleição e o Snapchat está revivendo um de seus personagens mais amados, o cachorro-quente dançante, para encorajar os usuários a votar.

O cachorro-quente reapareceu no rolo de filtro do Snapchat no sábado para o Vote Early Day, mas desapareceu após o feriado terminar. O personagem deve retornar para o dia da eleição em 3 de novembro, vestido com uma roupa no estilo do Tio Sam, girando uma placa pedindo aos usuários que encontrem seu local de votação. 

Se um usuário clicar no sinal, ele será vinculado à ferramenta do Snap ‘Antes de Votar’, que ajuda os usuários a encontrar seus locais de votação e aprender sobre os problemas e candidatos em suas cédulas.

Cachorro-quente dançante do Snapchat retorna para eleição dos EUA
Foto: (reprodução/internet)

Fique por dentro: Twitter está adicionando um banner anti-desinformação antes da eleição

Snap revive outros adesivos e incentiva americanos a votarem

O Snap também está revivendo seu filtro de adesivos “Eu votei”, que também direciona para a ferramenta de plano de votação do aplicativo.

Em setembro, o Snapchat lançou uma série de ferramentas de votação para os usuários, incluindo um recurso que permite que as pessoas se registrem para votar diretamente do popular aplicativo de mensagens. 

O Snapchat afirma que ajudou mais de 1,24 milhão de usuários com o registro eleitoral, em comparação com 2,5 milhões do Facebook. 

Mas por causa de sua popularidade com a Geração Z e os eleitores da geração do milênio, o Snap diz que atinge mais jovens de 13 a 24 anos do que o Facebook, Instagram e Messenger juntos. Dos 100 milhões de usuários do Snapchat nos EUA, 80% estão em idade de votar, disse a empresa.

Fora das ferramentas de votação, o Snapchat planeja continuar a fornecer notícias sobre votação em sua página Discover antes da eleição e durante a eleição. 

A seção de notícias “Happening Now” do Snap apresentará atualizações constantes de notícias de parceiros, incluindo Reuters, Bloomberg e BuzzFeed News.

Traduzido e adaptado por equipe O Mapa da Mina.

Fonte: The Verge