Dinamarca irá abater toda população de visons após surtos de COVID-19

ANÚNCIO

A Dinamarca planeja abater até 17 milhões de visons, toda a população do país, após relatos de que os animais podem transmitir uma mutação do coronavírus aos humanos. O anúncio foi feito pela primeira-ministra Mette Frederiksen em uma coletiva de imprensa, e atualmente não há relatórios científicos publicados sobre a mutação ou seus efeitos.

O vírus foi encontrado em mais de 200 fazendas de vison na Dinamarca, que produzem a maior parte da pele de vison do mundo. Mais de um milhão de animais já foram abatidos em fazendas dinamarquesas em outubro. Neste verão, cerca de 100.000 visons foram abatidos na Espanha após surtos semelhantes. Surtos em fazendas de visons em Utah mataram milhares de animais.

ANÚNCIO
Dinamarca irá abater toda população de visons após surtos de COVID-19
Foto: (Mads Claus Rasmussen/Ritzau Scanpix/AFP/Getty Images)

Fique por dentro: Prêmio Nobel é ganho por duas mulheres ‘doutoras de genética’

O anúncio da Dinamarca ocorre depois que 12 pessoas no país foram encontradas infectadas com um tipo do novo coronavírus, que também foi encontrado em fazendas de visons. O objetivo da ordem de hoje é impedir que essa mutação em particular se espalhe.

“A reprodução contínua de visons representará um risco significativo para a saúde pública – tanto nacional quanto internacionalmente”, disse Kare Molbak, vice-presidente executivo da autoridade dinamarquesa de doenças infecciosas, na entrevista coletiva.

ANÚNCIO

Mais evidências ainda são necessárias

No momento, não há dados científicos disponíveis publicamente sobre essa mutação ou seu comportamento, embora Frederiksen afirme hoje que a variante é menos sensível a anticorpos contra o vírus. 

Será preciso mais contexto para entender a mutação e o impacto que ela pode ter na trajetória da pandemia e no desenvolvimento de tratamentos e vacinas. “Os cientistas vão se atualizar quando tivermos mais informações”, tweetou a virologista Emma Hodcroft, pesquisadora de pós-doutorado da Universidade de Basel, na Suíça.

Traduzido e adaptado por equipe O Mapa da Mina.

Fonte: The Verge

ANÚNCIO