Queimadas na Califórnia viram e deixa moradores em energia solar

ANÚNCIO

A fumaça dos incêndios florestais sem precedentes da Califórnia foi tão forte que cortou uma parte significativa da produção de energia solar no estado.

A geração de energia solar caiu quase um terço no início de setembro, conforme incêndios florestais escureciam os céus com fumaça, de acordo com a Administração de Informações de Energia dos Estados Unidos.

ANÚNCIO

Veja também: Filhotes de urso polar são fotografados tentando comer plástico no Ártico

Moradores da Califórnia já estão enfrentando aumentos de temperatura

Esses incêndios criam uma fumaça densa, carregada de partículas que bloqueiam a luz do sol, tanto quando estão no ar quanto quando pousam nos painéis solares.

Nas primeiras duas semanas de setembro, a fuligem e a fumaça causaram uma queda de 30% na geração de eletricidade movida a energia solar em comparação com a média de julho, de acordo com o California Independent System Operator (CAISO), que supervisiona quase toda a energia solar em escala de serviço público na Califórnia. Foi uma redução de 13,4% em relação ao mesmo período do ano passado, embora a capacidade solar no estado tenha crescido cerca de 5% desde setembro de 2019.

A Califórnia depende de instalações solares para quase 20% de sua geração de eletricidade e tem mais capacidade solar do que os próximos cinco estados americanos atrás dela juntos.

ANÚNCIO

Precisará de ainda mais energia renovável para cumprir sua meta de geração de eletricidade 100% limpa até 2045.

A ênfase do estado na energia solar é parte de seus esforços de longo prazo para evitar os efeitos mais devastadores da mudança climática. Mas, a curto prazo, as energias renováveis ​​da Califórnia já estão lutando com o aumento das temperaturas.

Dois recordes foram quebrados no início de setembro, o que contribuiu para a perda de energia solar.

A Califórnia ultrapassou 2 milhões de acres queimados em uma única temporada de incêndios pela primeira vez (1,7 milhão de acres a mais foram queimados desde então).

E em 15 de setembro, a poluição por pequenas partículas atingiu os níveis mais altos registrados desde 2000, de acordo com o California Air Resources Board.

Os ventos que alimentaram as chamas também levaram a poluição dos maiores incêndios no norte da Califórnia ao sul da Califórnia, onde há mais fazendas solares.

Foto: (Brian van der Brug)

Sistemas solares residenciais e comerciais menores também foram afetados. “Muitos dos meus sistemas estavam produzindo energia zero”, disse Steve Pariani, fundador da empresa de instalação solar Solar Pro Energy Systems, ao San Mateo Daily Journal em setembro.

À medida que o planeta esquenta, as temporadas de incêndios na Califórnia ficam mais longas e as chamas estão devastando mais terras do que nunca. Para os serviços públicos e esforços solares menores, a fumaça do incêndio continuará a obscurecer o futuro brilhante da energia solar.

Traduzido e adaptado por equipe O Mapa da Mina.

Fonte: The Verge

ANÚNCIO