Facebook vai rejeitar anúncios políticos reivindicando vitória antecipada em novembro

ANÚNCIO

O Facebook rejeitará anúncios de Donald Trump e Joe Biden alegando vitória antes que o vencedor da eleição nos Estados Unidos seja declarado.

A mudança é uma atualização de uma política que o CEO Mark Zuckerberg anunciou em 3 de setembro, que proibia anúncios políticos uma semana antes da eleição, conforme relatado pela Fast Company.

ANÚNCIO

Essa política não teria impedido Trump ou Biden de veicular anúncios logo após a eleição.

Qualquer um dos candidatos presidenciais poderia começar a clamar vitória à meia noite em 4 de novembro.

Foto: (Jeff Swensen/ Getty Images)

Fique por dentro: Twitter começar a testar mensagens de voz nas DMs

Previsão dos especialistas

Embora os resultados da corrida presidencial sejam normalmente anunciados na noite da eleição, este ano, o processo deve demorar mais devido à votação por correspondência.

ANÚNCIO

Especialistas dizem que, como se espera que mais democratas votem pelo correio do que republicanos, Trump pode manter a liderança na noite da eleição, mas ficar atrás de Biden à medida que mais votos são contados.

Este cenário torna crítico que a desinformação sobre os resultados da eleição não se torne viral antes que o vencedor seja oficialmente anunciado.

Embora a nova política não seja dirigida a Trump, temores sobre o atual presidente se recusar a ceder podem estar por trás do esclarecimento.

“Estaremos rejeitando anúncios políticos que alegam vitória antes que os resultados das eleições de 2020 sejam declarados”, disse a gigante da tecnologia em um comunicado à Fast Company.

No início de setembro, Zuckerberg anunciou que a empresa deixaria de aceitar novos anúncios políticos uma semana antes da eleição.

“É importante que os anúncios possam correr para obter as campanhas eleitorais, e geralmente acredito que o melhor antídoto para a linguagem imprópria é mais linguagem, mas nos últimos dias de uma eleição pode não haver tempo suficiente para contestar novas reivindicações”, escreveu ele em uma postagem no Facebook.

Como parte da política ampliada, o Facebook disse que também rotulará postagens que buscam espalhar dúvidas sobre a legitimidade da eleição, bem como conteúdo de campanhas políticas que reivindicam uma vitória prematura.

As novas regras fazem parte dos esforços contínuos da empresa para impedir a interferência eleitoral em suas plataformas.

Traduzido e adaptado por equipe O Mapa da Mina.

Fonte: The Verge, The Atlantic e The New York Times

ANÚNCIO