Contratante do Google acusado de terceirizar empregos em retaliação à campanha sindical

ANÚNCIO

Os empreiteiros do Google, que recentemente se sindicalizaram, dizem que seus empregos estão sendo lentamente enviados para a Polônia.

Na quinta-feira, o National Labor Relations Board (NLRB) registrou uma reclamação expondo as acusações contra a HCL America, uma empreiteira de engenharia e TI que trabalha com o Google em Pittsburgh.

ANÚNCIO

Obtida pelo Motherboard, a denúncia argumenta que os empregos estão sendo terceirizados em retaliação à atividade sindical legítima.

Em particular, o NLRB diz que a conduta ocorreu “porque os funcionários formaram, se juntaram e ajudaram o Sindicato e se engajaram em atividades combinadas, e para desencorajar os funcionários de se envolverem nessas atividades”.

Foto: (Alex Castro / The Verge)

Fique por dentro: Google está adicionando alertas de segurança de conta entre aplicativos no iOS

Nenhum dos trabalhadores afetados é funcionário legal do Google, mas eles se especializam em tarefas de engenharia e TI para a HCL.

ANÚNCIO

Os empreiteiros votaram pela sindicalização em 2019, sob a organização do sindicato United Steelworkers.

De acordo com a denúncia, a empresa não conseguiu negociar com a unidade recém-formada e transferiu o trabalho anteriormente realizado pela equipe para trabalhadores offshore em Cracóvia, Polônia.

O Google não respondeu a um pedido de comentário.

Os trabalhadores contratados têm sido um aspecto significativo do ativismo dos funcionários do Google, incluindo um memorando público enviado em março por funcionários em tempo integral exigindo melhor tratamento para a força de trabalho contratada.

Funcionários temporários, fornecedores e contratados superam os funcionários em tempo integral do Google, e geralmente enfrentam salários mais baixos e menos segurança no emprego.

Em maio, o Google rescindiu abruptamente mais de 2.000 contratos, citando medidas de corte de custos estimuladas pela pandemia global.

Como os trabalhadores ainda não tinham contrato, as medidas não eram legalmente consideradas demissões e os trabalhadores não eram elegíveis ao seguro-desemprego.

Traduzido e adaptado por equipe O Mapa da Mina.

Fonte: The Verge

ANÚNCIO