Porque o sucesso de Happiest Season no Hulu importa, de acordo com Clea Duvall

O último mês tem corrido muito bem para todos os associados à Happiest Season. A comédia romântica obteve críticas bastante positivas por parte dos críticos, gerou muito boas notícias de boca a boca da maioria dos telespectadores e quebrou o recorde de espectadores de fim de semana de abertura no Hulu. 

Essa combinação impressionante sem dúvida abrirá muitas portas e muitas carteiras para a co-escritora e diretora, Clea Duvall, mas ela está focada na mensagem que ela envia sobre o tipo de conteúdo que o público deseja.

Porque o sucesso de Happiest Season no Hulu importa, de acordo com Clea Duvall
Foto: (reprodução/internet)

A estrela de The Veep falou com a Reuters sobre sua experiência na realização do filme, a reação que obteve dos fãs e o que significa ter uma história LGBTQ+ fazendo tanto sucesso com o público em geral. 

Ela acha que deve servir como um sinal para os tomadores de decisão de que as pessoas querem conteúdo diversificado e quando o receberem, ficarão mais do que felizes em consumi-lo e recomendá-lo a seus amigos. 

Aqui está uma parte de sua citação: “Em minha vida, nunca vi um filme como este receber o apoio que este filme tem. Vê-lo abraçado por todos, não só pela comunidade LGBTQ+, mas também pelo público em geral, ele realmente mostra a plataformas de streaming e estúdios que criar conteúdo como este é algo que o público está faminto de ver”.

Leia mais: Robert Rodriguez diz que Pequenos Grandes Espiões é um grande sucesso para Netflix e há notícias sobre a sequência

Investimento em filmes parecidos deve aumentar

Quando se trata do chamado conteúdo de nicho, sejam histórias com temas LGBTQ+ ou histórias com diversas pistas, há sempre um cenário do tipo “quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?”. 

É alegadamente menos popular porque não tem por trás um mega-famoso talento ou porque não tem o orçamento e a exposição de marketing para proporcionar conscientização, ou é menos popular porque é menos popular e não merece melhores talentos e maiores orçamentos de marketing? 

Não é justo colocar essa pergunta nos ombros de um filme, mas mesmo assim, é provável que seja tanto emocionante quanto um enorme suspiro de alívio para Duvall e sua colaboradora Mary Holland verem sua história LGBTQ+ se dar tão bem. 

Quase certamente abrirá mais portas a mais criadores para contar suas próprias histórias autênticas.

E isso é bom porque algumas das conversas em torno de Happiest Season tem sido sobre quantas pessoas querem histórias LGBTQ+ que são sobre mais do que apenas sair do armário. 

A personalidade do YouTube, Breanne Williamson, discute isso exaustivamente, mas a mensagem básica é que os espectadores LGBTQ+ não têm uma perspectiva única e precisamos de mais filmes para falar sobre isso. 

Happiest Season mudará o futuro dos filmes LGBTQ+

Clea Duvall, que pegou emprestado de alguns sentimentos e situações de seu próprio passado para fazer Happiest Season, está insinuando esses mesmos sentimentos na citação acima, e ela o declarou mais diretamente mais tarde na entrevista quando ofereceu as seguintes reflexões sobre o futuro: “Esta é uma das centenas de milhares de histórias que representam uma versão da experiência LGBTQ+. Estou realmente entusiasmada para ver o que os filmes virão em seguida”.

Graças ao sucesso de Happiest Season, quase certamente veremos muitos outros cineastas entrarem por aquela porta e fazerem filmes LGBTQ+ com elencos maiores e orçamentos maiores, apoiados por mais comerciais. 

Eles quase certamente nos proporcionarão muitas perspectivas diferentes para consumir. Se a maioria deles for tão boa quanto Happiest Season, todos nós também teremos um deleite.

Traduzido e adaptado por equipe O Mapa da Mina.

Fonte: Cinema Blend e Reuters