Prêmio Nobel é ganho por duas mulheres ‘doutoras de genética’

ANÚNCIO

As reconhecidas pioneiras da controversa ferramenta de edição de genes “Crispr-Cas9” foram recentemente premiadas com o Prêmio Nobel de Química deste ano.

As cientistas Emmanuelle Charpentier e Jennifer Doudna são duas mulheres pesquisadoras que recentemente foram adicionadas à lista das ganhadoras do Prêmio Nobel do mundo.

ANÚNCIO

Esta ferramenta tem sido controversa devido aos seus problemas anteriores de supostamente alterar os genes de dois gêmeos não nascidos na China, para impedi-los de adquirir AIDS.

Crispr-Cas9 reconhecido pelo Prêmio Nobel

Foto: (Brian Ach/ Getty Images/ Wired)

Na quarta-feira, 7 de outubro, a Nature relatou que os cientistas Jennifer Doudna e Emmanuelle Charpentier dividiram o prêmio Nobel de química de 2020 por sua descoberta da ferramenta de edição de genes Crispr-Cas9.

Por todos esses anos, essa ferramenta foi muito controversa. Não apenas por causa de sua finalidade, mas em termos de quem será creditado pelo desenvolvimento do dispositivo.

ANÚNCIO

A escolha do Comitê Nobel de Emmanuelle Charpentier, agora na Unidade Max Planck para a Ciência de Patógenos em Berlim, e Jennifer Doudna, na Universidade da Califórnia, Berkeley, finalmente interrompe todas as especulações.

Doudna disse que ficou realmente chocada ao ver o anúncio do Nobel e não esperava.

“Estou realmente chocada, estou completamente em choque”, disse ela. “Eu conheço tantos cientistas maravilhosos que nunca receberão isso, por motivos que nada têm a ver com o fato de que eles são cientistas maravilhosos.”

Leia mais: Marte estará ainda mais próxima da Terra! Descubra como e quando ver

O que Crispr-Cas9 faz?

Foto: (Chris Hondros/Getty Images)

Em agosto, o Tech Times relatou a operação bem-sucedida de 2019 do cientista chinês He Jiankui envolvendo a ferramenta de edição de genes Crispr-Cas9.

Alegadamente, o cientista conseguiu editar os genes de dois bebês em gestação para evitar que tivessem AIDS.

A operação removeu os genes “CCR5” dos bebês, que supostamente permitiam aos humanos contrair o HIV.

Muitos outros cientistas da área foram contra a operação. Foi mencionado que a edição de genes humanos pode causar efeitos nos aspectos fisiológicos de uma pessoa.

No entanto, uma vez que os desenvolvedores deste dispositivo são agora vencedores do Prêmio Nobel, os cientistas mudaram imediatamente de ideia em relação à tecnologia.

O professor Tom Welton, presidente da Royal Society of Chemistry diz: “A capacidade de editar genes fornece um conjunto de ferramentas incrível para a pesquisa científica que beneficiará a humanidade nas gerações vindouras, desde o combate e prevenção de doenças até a alimentação de nossa crescente população global.”

Traduzido e adaptado por equipe O Mapa da Mina.

Fonte: Tech Times

ANÚNCIO