CEO da TikTok pede ao Instagram e Facebook que ajudem a combater a proibição do TikTok

ANÚNCIO

A CEO interina da TikTok, Vanessa Pappas, está pedindo ao Facebook e Instagram para “aderir publicamente ao desafio e apoiar o nosso litígio”, enquanto a TikTok enfrenta uma nova ordem executiva da administração Trump que impedirá as pessoas de baixar o aplicativo a partir de 20 de setembro.

O novo pedido foi emitido pelo Departamento de Comércio na manhã de sexta-feira e, essencialmente, afirma que as pessoas não têm permissão para baixar o TikTok ou o WeChat a partir do dia 20.

ANÚNCIO

O TikTok continuará a funcionar nos Estados Unidos para pessoas que já têm o aplicativo instalado, mas downloads futuros são proibidos.

Foto: (Alex Castro/The Verge)

Veja também: EUA proíbem TikTok e WeChat: que diferença isso faria?

O apelo de Pappas veio na forma de uma resposta a um tweet de Adam Mosseri, o chefe do Instagram, que disse que “uma proibição do TikTok nos EUA seria muito ruim para o Instagram, Facebook e a internet de forma mais ampla”.

Pappas acrescentou que é o momento de “colocar de lado nossa competição e focar em princípios fundamentais como liberdade de expressão e devido processo legal”.

ANÚNCIO

A solicitação de Pappas chega em um momento em que existem rumores de que o cofundador do Instagram, Kevin Systrom, está em negociações para substituir o CEO da TikTok, Kevin Mayer.

Entenda mais sobre a briga Trump vs. TikTok

A administração Trump pediu a proibição do TikTok no início deste ano devido a questões de segurança de dados.

O governo exigiu que o ByteDance vendesse suas operações nos Estados Unidos para uma empresa americana até 15 de setembro ou o TikTok seria totalmente banido.

Atualmente, a administração e a ByteDance estão supostamente trabalhando com a Oracle para fechar um acordo.

A TikTok também entrou com um processo contra o presidente Trump em agosto, argumentando que a ordem original de Trump não oferece nenhuma evidência de que TikTok é de fato uma ameaça à segurança nacional para os Estados Unidos, entre outras coisas.

A TikTok emitiu um comunicado seguindo a ordem do Departamento de Comércio, observando que a empresa já “se comprometeu com níveis sem precedentes de transparência adicional e responsabilidade muito além do que outros aplicativos estão dispostos a fazer.”

O comunicado acrescenta que a TikTok já está planejando trabalhar com um provedor de tecnologia americano, que seria “responsável por manter e operar a rede TikTok nos EUA, que incluiria todos os serviços e dados que atendem aos consumidores dos EUA”.

Traduzido e adaptado por equipe O Mapa da Mina.

Fonte: The Verge

ANÚNCIO