Zuckerberg: Facebook vai integrar e criptografar mensagens entre WhatsApp, Instagram e Messenger

Diante do aumento de fraudes e problemas com a privacidade de dados, o pronunciamento de Zuckerberg sobre alternativas e novos projetos para as redes sociais das quais é dono teve grane importância. O cofundador e diretor executivo do Facebook afirmou que o futuro do desenvolvimento de produtos da empresa é outro caminho.

O comunicado diz que a empresa se concentrará  na comunicação privada e criptografada, que também sejam passageiras. Ele também prevê que a troca de mensagens com maior segurança se dará integrando serviços da empresa como Messenger, WhatsApp e Instagram.

Zuckerberg afirmou que, com a novidade, a maior rede social do mundo pretende reconstruir várias das suas funcionalidades para atingir esses objetivos de segurança, que ultimamente com as notícias andam distantes da imagem da empresa.

WhatsApp e Instagram juntos? EUA podem barrar nova tática do Facebook - 12/12/2019 - UOL TILT
Fonte: (Reprodução/Internet)

Confira o que Zuckerberg falou sobre a novidade.

Zuckerberg fala sobre integração das redes e privacidade

O fundador falou sobre a integração das plataformas do WhatsApp, Instagram e Messenger dizendo que cada rede utiliza uma aba de mensagens diferente ou até um app, como no caso do Messenger. Nesse sentido, integração das ferramentas visam facilitar a comunicação entre os amigos de todas as redes.

Sobre a novidade, ele diz que a integração entre as redes será um serviço optativo e natural, onde o usuário pode escolher manter as contas em cada um dos serviços separadamente. A ideia é permitir que os usuários mandem mensagens de qualquer uma das redes para outra rede diferente e também unificar, futuramente até o SMS, estendendo a interoperabilidade.

Sobre a interoperabilidade, o fundador do Facebook disse que ela traz vantagem em termos de segurança, que é principalmente poder enviar uma mensagem criptografada do WhatsApp para outros aplicativos como o Messenger.

Nova era de segurança e privacidade do Facebook

O dono da companhia concordou que uma plataforma focada em privacidade está distante da imagem atual do Facebook. Para justificar, Zuckerberg afirma que historicamente a rede social se concentrou “compartilhar as coisas abertamente” e que, contudo, está voltada a evoluir e elaborar novos serviços.

“Já mostramos repetidamente que podemos evoluir e elaborar serviços que as pessoas realmente desejam, inclusive em mensagens e ‘stories’ privadas” afirmou em post.

Segundo Zuckerberg, nos próximos anos a intenção é investir em interações privadas, segurança e redução de permanência das mensagens. Outros temas propensos a pesquisa e inovação são a interoperabilidade, a, proteção das informações e a encriptação.

Ele disse que a empresa está comprometida a consultar especialistas para debater a melhor direção a tomar e que o processo seria feito abertamente e de forma colaborativa por considerar que os temas afetam diferentes partes da sociedade. Sobre a mudança, Zuckerberg não explicou como a medida afetaria o negócio de publicidade do Facebook.