Como INVESTIR pra DIVERSIFICAR seus investimentos da forma CORRETA!

https://www.youtube.com/watch?v=neZUOqJi2_E

Link para se registrar na lista VIP do meu projeto e garantir um desconto especial: https://bit.ly/2FXVif5 1. Diversificar com pouco dinheiro faz sentido? 2. Quando é o momento para começar a diversificar? 3. Aprendendo o jeito certo de diversificar. Vamos direto para o passo número 1: Diversificar com pouco dinheiro faz sentido? O primeiro passo, na realidade, é um passo de esclarecimento. Isso porque nós temos que entender o contexto: Ainda que melhorando, o nosso país é um país do qual a maioria das pessoas investem na caderneta de poupança. Agora, quando uma pessoa entende que a poupança é uma péssima opção e retira o seu dinheiro de lá para investir em outras aplicações por meio uma corretora, esse investidor ainda pode ter muito medo do que vai acontecer com o dinheiro dele. Ele ainda não sabe muito bem se corretoras são confiáveis, ou quais investimentos seguros existem. Por conta desse fator de insegurança, a primeira coisa que vem a mente é: “preciso diminuir o risco que eu vou ter ao aplicar”. Aí, mesmo investindo apenas 500 reais por mês, acaba surgindo ideias de, por exemplo, colocar 50% no tesouro selic, e os outros 50% em uma previdência. Só que isso é um erro. Primeiro que investimentos assim, que são mais indicados para pessoas com pouco dinheiro, normalmente já tem um risco muito baixo. O próprio Tesouro Selic, que é o investimento mais seguro do país, é um exemplo. Então, na realidade a ideia é que você concentre esse dinheiro em uma aplicação só e foque em objetivos, principalmente os de curto prazo, como o fundo de emergência. Depois do fundo de emergência, ai a necessidade se torna focar nos de longo prazo. Então, se você tem 500 reais pra investir, a ideia é que você pegue esses 500 reais e comece a constituir o seu fundo de emergência em um investimento só, por exemplo o Tesouro Selic, o investimento mais seguro do país. Não há um real sentido de você diversificar sendo que a sua carteira de investimento, em teoria, já deveria ter um risco baixíssimo. E se você tem pouco dinheiro pra investir hoje, e já tá indo direto pra investimentos com risco… bom, aí você já está começando errado. Lembrem-se primos: antes de diversificar, vocês precisam acumular patrimônio e definir uma estrutura inteligente de carteira de investimentos, com pelo menos uma segurança de curto prazo formada. Mas se o momento para começar a diversificar já não é com pouco dinheiro, quando, então, é o momento certo para se pensar em diversificar? Ai vamos ao segundo passo: Quando é o momento para começar a diversificar? Essa é uma pergunta pertinente. Isso porque não tem um valor “exato” pra você começar a diversificar. Não é como se fosse uma fórmula definida. Claro, tem gente que acaba usando como referencial o valor de R$250 mil, que é o valor máximo que o FGC garante. Aí a partir disso a pessoa acaba escolhendo um investimento de outra instituição pra continuar mantendo a garantia do FGC. Não acho que isso está de todo errado. Mas eu acho que existe uma forma melhor de diversificar. Mesmo que no caso da renda fixa exista ali a garantia do FGC, o ideal também é que nós, ainda mais agora com juros baixos, não fiquemos dependendo só da renda fixa pra ter rendimento, além de que isso não é diversificar. Só que isso não dá pra fazer enquanto não temos aquela estrutura de investimentos, com fundo de emergência, formada. Por isso, o grande momento aqui pra começar a diversificar é o momento em que completamos o nosso fundo de emergência. E é ai que entramos no terceiro passo: Aprendendo o jeito certo de diversificar Para aprendermos o jeito certo de diversificar, precisamos estar atentos a 2 coisas principais: 1. Pulverização de capital; 2. Correlação dos ativos. A pulverização é o que acontece com a nossa carteira quando nós diversificamos demais. Ou seja, quando escolhemos um monte de ativos só porque, na nossa cabeça, escolher diversos ativos diferentes está diminuindo o nosso risco. De fato, pode até ser que está. Mas o custo disso é que, conforme o número de investimentos aumenta, nós passamos a ter menos controle dos nossos investimentos, o processo de decisão começa a ficar mais complexo, e, por consequência, a carteira fica ineficiente. Há muitos casos, inclusive, que não faz nem sentido em fundamento que você mantenha algumas posições em investimento, mas o faz com a ideia de que tá diminuindo o risco. Por isso a diversificação deve existir, mas de uma forma da qual você ainda deixe a sua carteira simples. É investir em poucos ativos, mas ativos dos quais você tenha feito uma análise antes e decidido que valia a pena. Agora, o segundo ponto ajuda no processo decisório pra escolher os ativos. Redes Sociais: BLOG – http://oprimorico.com.br YOUTUBE (inscrever-se) – http://bit.ly/1S6WMoM FACEBOOK (curtir página) – https://www.facebook.com/oprimorico TWITTER: https://twitter.com/thiagonigro INSTAGRAM: https://www.instagram.com/thiago.nigro/ PODCAST: https://soundcloud.com/thiagonigro