S&P anunciou o rebaixamento do Brasil: de BB para BB- e perspectiva estável.

Ontem a B3 (Bovespa) retomou o processo de alta interrompido por duas sessões de queda e fechou com valorização de 1,49%, índice em 79365 pontos e na máxima do dia. Os EUA fecharam com boa alta nos principais indicadores. Ocorre que depois de pregão fechado, a S&P anunciou o rebaixamento do Brasil: de BB para BB- e perspectiva estável.

O motivo do rebaixamento foi o atraso em realizar reformas estruturantes e as incertezas políticas com a próxima eleição. Em nossos últimos comentários (inclusive ontem), fazíamos menção aos alertas dados pelas agências (S&P e Fitch) e como isso era ruim para o país e os riscos envolvidos. Porém, de alguma forma e, em alguma medida, os mercados já precificavam essa possibilidade nos ativos, mas certamente os efeitos na sessão de hoje serão nocivos.

Ainda bem que o dia está sendo positivo em boa parte do mundo e ajuda a reduzir os impactos no Brasil. Durante a madrugada, os mercados da Ásia fecharam majoritariamente em alta, a Europa trabalha no campo positivo nesse início de manhã e futuros americanos também em boa alta. No Brasil, numa perspectiva pessimista teríamos paradas pela análise técnica nos níveis de 78000 pontos e 77000 pontos.

Durante a madrugada, a China anunciou o superávit na balança comercial de dezembro em US$ 54,6 bilhões, de previsão de ficar em US$ 38,5 bilhões. As exportações em dólares anualizadas observaram expansão de 10,9%. Na Alemanha, os partidos fecharam acordo preliminar de coalizão com Angela Merkel para formação de gabinete de gestão. Merkel quer ter governo formatado até a Páscoa.

Na sequência dos mercados no exterior, o petróleo WTI negociado em NY mostrava queda de 0,44%, com o barril cotado a US$ 63,52, depois de boas altas recentes. O euro era transacionado em alta para US$ 1,212 e notes americanos de 10 anos com taxa de juros de 2,55%. O ouro e a prata mostravam tendência de alta para hoje na Comex e commodities agrícolas com viés de alta na bolsa de Chicago.

No cenário local, a decisão da S&P pode ajudar a chamar o Congresso Nacional a razão e ajudar a aprovar reformas e medidas como a reoneração da folha de pagamento e adiamento de reajuste de salários dos servidores (se bem que já foram pagos e fica mais difícil). O IBGE divulgou o dado mais importante do dia com o volume de serviços prestados em novembro crescendo 1,0%, mas em queda de 0,7% contra igual período de 2016. No ano, o recuo é de 3,2%, mas a receita bruta nominal subiu 1,2%. Serviços prestados às famílias +0,9%.

Na abertura dos negócios, ainda no cenário local, os juros e câmbio abriram pressionados em alta (dólar em R$3,22 e +0,14%) e a B3 começou o dia com tendência de queda, perdendo 0,34%. O CDS do Brasil (Credit Default Swap) começou o dia com alta de 0,5% em 146,51 pontos (nada muito pressionado).

Bom dia e bons negócios.

Alvaro Bandeira
Economista-Chefe Home Broker Modalmais
Fonte: https://www.modalmais.com.br/blog/falando-de-mercado

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *